Quero agradecer os vários emails que tenho recebido e o carinho de todos que me visitam. Criei esse blog com o único objetivo de trocar ideias no trabalho com crianças na igreja. Também posto as lições de cada trimestre, que retiro do site http://www.advir.com/criancas/ onde baixo todos os auxiliares. Por isso não vejo a necessidade de colocar aqui, todas as partes de cada lição. Até quando puder continuarei postando apenas as histórias das lições, que estão nos auxiliares. Além de atividades e outras coisas mais. Espero estar ajudando e gostaria também de receber ideias novas. E assim continuar com esse site, que considero um trabalho na obra de Deus. Um grande abraço. Malu

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

O Filho Escolhido

Lição 2 dos Adolescentes 14 de janeiro de 2012

História Bíblica: 1 Reis 3, 4 e 10. Comentário: Profetas e Reis, capítulo 1.

I. SINOPSE

Unidos, venceremos – mas divididos, falharemos. Cerca de 800 anos se passaram desde que os israelitas cruzaram o rio Jordão até que o rei Nabucodonosor os levou cativos para a Babilônia. Geralmente, imaginamos os israelitas como um povo que permaneceu unido por todos esses anos. Porém, os reinados de Saul, Davi e Salomão foram bons enquanto duraram. Antes que Saul, da tribo de Benjamin, fosse ungido e coroado, a guerra civil quase havia exterminado sua tribo. Mesmo o reinado fabuloso de Davi foi marcado por inimigos sem fim, que ameaçavam seu direito ao trono. Primeiro, Davi foi ameaçado por membros de outras tribos e servos leais de Saul e, depois, por membros de sua própria família. O reinado de Salomão não foi apenas notável pela paz que Israel manteve com as nações vizinhas, mas também pela paz que reinou dentro da própria nação. Antes de perder a vida em batalha, Absalão, o irmão mais velho de Salomão, “conquistava o coração do povo de Israel” (2 Samuel 15:6) com sua boa aparência e seu carisma. Contudo, o jovem Salomão precisaria mais do que sorte ou uma boa aparência. Não há dúvida de que ter que enfrentar com inteligência o início conturbado de seu reinado contribuiu para que Salomão, acima de tudo, pedisse sabedoria. Na ocasião em que Salomão solucionou a disputa pela guarda da criança, ordenando que o bebê fosse cortado ao meio (o que fez com que a mãe verdadeira desistisse da criança e a mãe falsa prontamente concordasse com a ordem), todos “sentiram um grande respeito por ele, pois viram que Deus lhe tinha dado sabedoria para julgar com justiça”. 1 Reis 3:28. É motivo de grande respeito e admiração notar que Salomão manteve a nação unida por tanto tempo, porque, após a sua morte, ela se dividiu e nenhum outro foi capaz de uni-la novamente.

Ilustração

Conte esta ilustração em suas próprias palavras: “Buscai em primeiro lugar o reino de Deus e Sua justiça e todas as outras coisas vos serão acrescentadas.” Que palavras maravilhosas de serem vividas, mas será que, se pedirmos sabedoria a Deus para enfrentarmos o dia a dia, Ele nos concederá? No século 19, um pregador de Londres 13 6. Circule as palavras ou sentenças que melhor transmitem as várias emoções expressadas na história. 7. Que perguntas surgiram em sua mente após estudar esta história? Utilize as passagens a seguir como fontes alternativas relacionadas à lição desta semana: Tiago 1:5; Provérbios 2:1-5; 3:13-18 e Filipenses 1:9.

Apresentando o Contexto e o Cenário

Use as informações a seguir para elucidar a história para seus alunos. Explique em suas próprias palavras. Em Provérbios, a sabedoria está relacionada à vida religiosa. Os temas abordados em Provérbios foram resumidos em cinco pontos principais:

1. Toda ação tem uma consequência. No mundo de Deus, as boas ações resultam em bênçãos e as más ações, em consequências negativas ou em castigo. Deus é justo.

2. A maneira pela qual tratamos o próximo e nos relacionamos com Deus é tão importante quanto o conhecimento que temos de Sua palavra.

3. Deus nos dá o livre-arbítrio. Em contraste com a filosofia grega e o medo, não somos governados pelo destino. O grande benefício da sabedoria é que, quando as pessoas conhecem o bem, elas agem de acordo com seu conhecimento.

4. Em tudo o que fazemos, ou seguimos o caminho da justiça, ou a avenida da insensatez, com consequências garantidas.

5. O livro de Provérbios compara indivíduos opostos – o sábio e o insensato, o preguiçoso e o estudioso, o rico e o pobre. “O temor do Senhor é o princípio da sabedoria.” Esse é um texto muito familiar para a maioria dos cristãos. Embora os arqueólogos encontrem paralelismos entre muitos dos provérbios bíblicos e os “provérbios de sabedoria” dos manuscritos do Oriente Médio, somente a Bíblia descreve a sabedoria sendo propiciada através da adoração a Deus. Gerald Wheeler escreveu: “A grande diferença entre a sabedoria que não provém da Bíblia e aquela das Escrituras é que a primeira sabedoria contém ensinamentos que dizem que o homem pode ter sucesso através daquilo que faz. A Bíblia ensina que o sucesso verdadeiro vem dAquele a quem o homem rende adoração. [...] ‘O temor do Senhor/Deus’ é uma imagem fundamental e muito difundida. É a combinação do respeito, da reverência, da fé e da obediência – a vida do cristão como um todo ao relacionar-se com Deus. Ao viverem uma vida que expresse de forma concreta sua lealdade e sua fidelidade a Deus, os cristãos aceitam a direção divina, que é a única coisa que pode satisfazer a alma. Uma vida religiosa verdadeira provém apenas do próprio Deus.” – Wisdom: Timeless Treasures from Proverbs, p. 42. Review and Herald, 2000. O livro de Provérbios enfoca principalmente o comportamento exterior. Isso se dá porque os escritores bíblicos criam que aquilo que fazemos é o reflexo daquilo que somos. Observamos isso em Provérbios 6:16-19: “Seis coisas o Senhor aborrece, e a sétima a Sua alma abomina: olhos altivos, língua mentirosa, mãos que derramam sangue inocente, coração que trama projetos iníquos, pés que se apressam a correr para o mal, testemunha falsa que profere mentiras e o que semeia contendas entre os irmãos” (ARA). Palavras e feitos violentos são igualmente condenados em Provérbios: “Bater o leite dá manteiga; pancada no nariz faz sair sangue; provocar a raiva dá briga “ (30:33, NTLH.)

III. ENCERRAMENTO

Atividade

Encerre com uma atividade e explique-a em suas próprias palavras. Divida os alunos em grupos e peça para reescreverem em suas próprias palavras provérbios específicos que possam ser aplicados a situações do dia a dia – na escola, com os pais e os irmãos ou com os amigos. Por exemplo, Provérbios 30:32 e 33; Provérbios 28:1, 6-8; Provérbios 13:20-22; Provérbios 11:4-6 e Provérbios 11:22-27.

3 comentários:

Pedagoga Viviane disse...

Olá Malu,amei seu blog,me encantei com o seu trabalho...PARABÉNS!!!
Fico muito feliz em achar profissionais apaixonados pela educação como vc...
Te ofereço com carinho o selinho de aprovação (pegar no meu blog na aba ofereço),vc merece!!!
Sou sua seguuidora e levei seu link comigo...
Mil bjs

Rebeca Sena disse...

Olá que blog bom , é muito bom estudar a lição pelo computador . Que DEUS te abençoe.
Estou seguindo o seu blog , siga-me também.

conselhos-sabios.blogspot.com

Malu disse...

Obrigada queridas. Já estou seguindo vcs também.