Quero agradecer os vários emails que tenho recebido e o carinho de todos que me visitam. Criei esse blog com o único objetivo de trocar ideias no trabalho com crianças na igreja. Também posto as lições de cada trimestre, que retiro do site http://www.advir.com/criancas/ onde baixo todos os auxiliares. Por isso não vejo a necessidade de colocar aqui, todas as partes de cada lição. Até quando puder continuarei postando apenas as histórias das lições, que estão nos auxiliares. Além de atividades e outras coisas mais. Espero estar ajudando e gostaria também de receber ideias novas. E assim continuar com esse site, que considero um trabalho na obra de Deus. Um grande abraço. Malu

terça-feira, 10 de novembro de 2009

Programa de Natal

Aqui tem uma programação de natal "completa" e simplesmente liiiinda. O envolvimento de crianças e da igreja em cenas, jogral, presépio, poesia... São 9 cenas…

Narrador(a) _________________________________

Arauto 1 ____________________________

Arauto 2 ____________________________

Jovem paráfrase 1 ____________________________

Jovem paráfrase 2 _____________________________

NATAL _____________________________

FÉ _____________________________

ESPERANÇA _________________________________

AMOR ____________________________________

ACRÓSTICO 1 ________________________________

ACRÓSTICO 2 ________________________________

ACRÓSTICO 3 _______________________________

ACRÓSTICO 4 ________________________________

ACRÓSTICO 5 ________________________________

Anjo ________________________________________

José _______________________________________

José ____________________________

Maria ______________________

Pastor 1 __________________________________

Pastor 2 __________________________________

Pastor 3 __________________________________

Pastor 4 ___________________________________

Criança bíblia  _________________________________

Criança cruz ___________________________________

NOTA: O mesmo ator poderá fazer 2 personagens

  • 1 PARÁFRASE DE NATAL
  • 2 Natal - Fé - Esperança -Amor
  • 3 ACRÓSTICO DE NATAL
  • 4 ANUNCIAÇÃO
  • 5 ALISTAMENTO
  • 6 PASTORES NO CAMPO
  • 7 PRESÉPIO
  • 8 REIS MAGOS
  • 9 A BÍBLIA E A CRUZ
  • Fé - Esperança – Amor
    Saudação
  • Fonte:http://www.uirapuru.go.gov.br

Hino: Num berço de palhas

 

PARÁFRASE DE NATAL - 1

Abre As cortinas

Aparece um menino com uma grande estrela na mão e para a um canto do palco e fala: uma estrela - fruto de amor.

Logo após aparecem, dos cantos 2 meninos vestidos de arautos e param um em cada canto do palco. Após eles, entra o jovem (ou 2 jovens) que dirão A PARÁFRASE DE NATAL.(não precisa ser decorada – pode ser lida por uma pessoa que tenha voz firme e saiba falar bem!)

 

1) Ainda que eu repetisse a história do Natal e cantasse os seus lindos hinos, e não tivesse amor, seria como metal que soa ou como o sino que retine...

2) Ainda que eu recebesse numerosos presentes de Natal e conhecesse o seu valor comercial; e ainda que eu celebrasse a festividade do Natal em meio a dias incertos e tenebrosos, e não tivesse amor, de nada serviria...

1) E, ainda que distribuísse presentes de Natal aos pobres e entregasse o meu corpo às intempéries do tempo para ministrar aos necessitados, e não tivesse amor, de nada aproveitaria...

2) Especialmente no Natal, o festival de amor, o amor é paciente e benigno; o amor não é invejosos, o amor não trata com leviandade, o amor não se ensoberbece...

1) Embora o Natal traga consigo as sua tentações, o amor não trata com indecência; não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; não se alegra com a injustiça, mas alegra-se com o amor de Deus manifesto em Jesus Cristo, o Senhor...

2) Este maravilhosos amor de Deus, derramado sobre o mundo, através do infante de Belém, faz com que possamos tudo sofrer, tudo crer, tudo esperar, tudo suportar...

1) amor jamais acaba: ainda que haja pinheirinhos de Natal, estes expirarão; ainda que haja enfeites multicores, estes perecerão; ainda que haja gritos alegres de crianças, estes cessarão...

2) Porque estas coisas são apenas a manifestação terrena da alegria do Natal, mas quando o Natal perfeito vier, então, o que é em parte será aniquilado...

1) Quando eu era criança, falava a respeito do Natal como criança, compreendia o Natal como criança, pensava a respeito do Natal como criança; - mas quando me tornei grande, despojei-me das minhas ideias egoístas sobre o Natal...

2) Porque agora vemos apenas de relance a beleza do Natal, mas então veremos em toda a sua glória. Agora eu conheço em parte o significado desse dia, mas, então conhecerei o Natal assim como eu mesmo sou conhecido...

1) Possa este maravilhoso espírito de amor, o verdadeiro espírito de Natal, encher o nosso coração, neste tempo em que Cristo nasceu.

Fecham-se as Cortinas

Hino:

Natal - Fé - Esperança –Amor 2
Abrem-se as Cortinas, falam os dois arautos de dentro do palco
1º ARAUTO – Despertai, despertai! O Natal chegou! Que cada coração se regozije!
2º ARAUTO – Ouvi! Ouvi! O Natal chegou! Alegrem-se as nações!
(No centro do palco, coloca-se uma cadeira baixa, ou uma caixa coberta com tapete em forma de TRONO, onde subirá e se sentará a menina que falará do amor.)

“natal”, “fé”, “esperança” e “amor” deverão ser meninas que saibam falar bem

(Voltam os dois arautos e trazem a menina toda trajada de branco, com uma faixa no peito com a palavra “NATAL”. Oferecem a ela o trono, mas ela recusa fazendo um “NÃO” com a cabeça. Arautos ficam parados do lado do palco)

Ø      NATAL – Novamente os povos se regozijam pelo transcorrer de mais um Natal. Quase dois mil anos se passaram desde que a manjedoura de Belém foi transformada em berço. Gerações e gerações têm passado, deixando um rastro de lágrimas e um caminho de esperanças. Mesmo assim, a glória e o gozo do Natal tem permanecido inalteráveis. Vamos trazer nesta noite três convidados que são a verdadeira essência do Natal. – E vamos  convidá-los para que habitem sempre em nossos corações, e depois, levemo-los aos corações daqueles que ainda não o conhecem. Esta é a maior bênção do Natal, o mais grandioso trabalho que se pode fazer para o Rei dos Reis, o redentor da humanidade.

natal” volta-se para os arautos

Ø      NATAL – Apressai-vos, arautos meus, e fazei entrar o primeiro convidado.

(“ARAUTOS” trazem a menina trajada de vermelho, com a faixa “FÉ”. Então “NATAL” lhe oferece o lugar de honra no trono mas ela recusa. "FÉ" para-se na ponta do palco)

Ø      NATAL – “Ora a fé é a firme fundamento das coisas  que se esperam, e a certeza das coisas que não se veem.

Ø      FÉ – Havia fé no mundo quando Jesus nasceu. Muito antes daquela grandiosa estrela brilhar sobre a pequenina Belém; mesmo quando os pastores ainda não vigiavam os seus rebanhos durante a noite nos campos, os profetas antigos, cheios de fé, já anunciavam que Jesus iria vir. É o profeta Isaías que disse no Antigo Testamento: portanto o Senhor vos dará um sinal: Eis que a virgem conceberá, e terá um Filho, e chamará o seu nome “EMANUEL”. A profecia se cumpriu e tornou possível e mais fácil ao homem acreditar na verdade  ela contém, crendo firmemente no poder de Deus.  A salvação desceu ao berço da manjedoura de Belém. A vida eterna se achava envolta nas vestimentas do Filho de Maria.

Ø      NATAL – Arautos, fazei entrar o segundo convidado.

(“ARAUTOS” trazem a menina trajada de verde, com a faixa "ESPERANÇA". Então “NATAL” lhe oferece o lugar de honra no trono mas ela também recusa. E para-se ao lado de "FÉ" )

Ø      NATAL – E a esperança não confunde, porque o amor de Deus está derramado em nosso coração pelo Espírito Santo que nos foi dado”

Ø      ESPERANÇA – Havia esperança no mundo, quando Jesus Cristo nasceu. A estrela de Belém, no entanto iluminou uma nova esperança, para uma nova vida de honra, liberdade. Os casados, aflitos, e sobrecarregados, encontraram esperança na manjedoura de Belém. A esperança é uma valiosa amiga, possuidora de grande poder, porém sua maior característica é purificar as mentes. O apóstolo João diz: E qualquer que em Jesus tem esperança, purifica-se e a si mesmo, como também Ele é puro. Esta é a grande esperança que purifica a mente, o caráter. Porque em esperança somos salvos. Ora a esperança que se vê não é esperança, porque o que alguém vê como o esperará? Mas, se esperarmos o que não vemos, esperamos com paciência.

Ø      NATAL – o lugar de honra continua vazio. "FÉ" e "ESPERANÇA" acham que não devam ocupar este lugar. Saí, arautos meus, e trazei o nosso próximo convidado de honra.

enquanto os arautos saem, falam "NATAL" "FÉ" e "ESPERANÇA" juntos:

“Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.”

Ø      NATAL  – agora permanecem estes três: a "FÉ", a "ESPERANÇA" e o AMOR. Mas o maior deste é o amor. Sem imenso imensurável amor de Deus, não haveria Natal.

entra o "amor" e sobe ao trono: menina trajada de branco, com a faixa "amor"

Ø      AMOR – eu sou o amor. Havia amor no mundo quando Jesus nasceu. Mas foi na pobre manjedoura de Belém, tendo por berço uma caminha de feno, que o amor se concretizou e veio habitar entre o povo. Foi o amor que abriu os portões do céu, e fez baixar o Cristo em forma de homem. Foi ainda o amor que o guiou até Belém, trazendo-o ao mundo. E este seu amor espalha os seus raios benignos sobre toda a terra até hoje. Que infinito amor! Fazendo Deus baixar até a terra, a fim de o homem subir até o pai celestial no céu, não como condenado, mas salvo e redimido, transformado em filho querido. Amor! Amor! O Sempre Eterno amor de Deus! Amor essência de Deus o próprio Deus enviado aos homens na pessoa de Jesus menino, o Redentor que sendo Deus é o amor.

"fé", "esperança", "amor"  e "natal" ficam parados no palco de frente para a plateia

Ø      FÉ – o Natal nos trouxe amor! Foi Jesus quem nos trouxe o amor. É Ele o presente do amor de Deus. Sua vida foi um hino de amor. Sua morte tornou-se a expressão suprema do seu amor ao mundo perdido. Foi Jesus quem colocou no coração de seus seguidores o amor que serve, que renuncia, que Deus’, que intercede e que se submete e torna todas as coisas possíveis.

Ø      ESPERANÇA – o Natal nos trouxe esperança. Alguém chamou o Natal de “o aniversário da esperança”. Desde quando Adão e Eva foram expulsos do Jardim do Éden, que a promessa da vinda do Messias se tornou um raio de esperança. Ele era o Rei que se assentaria no trono e governaria o mundo com justiça para todo o sempre.

Ø      NATAL – o Natal nos trouxe fé. Entre os quase 5 bilhões de pessoas que povoam o mundo, há milhares de milhares ainda no vale da sombra da morte. Vamos falar a eles sobre a vida eterna, da vida abundante que Jesus nos veio dar. Jesus mesmo diz: eu vim pra que tenham vida e vida em abundância.

Ø      AMOR – eis o verdadeiro Natal, e com ele, nova oportunidade de reconsagração de vida, prontidão em fazer Cristo conhecido. Mas como conseguir isso? Perguntaram muitos – Como? Anunciando o Evangelho! Se não podemos ir, oramos! Sustentemos os que vão e os que mandamos com as nossas ofertas e as nossas orações e cantaremos com alegria.                                                                   Fecham-se as Cortinas

Hino:

 

ACRÓSTICO DE NATAL - 3

Abrem-se as Cortinas

(5 crianças, cada uma com sua letra na mão)

Natal, natal, voz divina, de poesia peregrina, de humildade que fascina as chamas da eterna. É que esse dia faustoso deu à vida um som garboso, tornou o mundo ditoso dando-lhe o Dom de Jesus.

A estrela branca, fulgente, que das brumas do Oriente espancara a treva ingente, norteando reis aos céus. Anunciava outro sol, da santidade o crisol, da eternidade o arrebol, Jesus o Filho de Deus.

Tal nova, do céu descida, à humanidade perdida trouxe esperança, e vida, derramou no mundo, a lux. A luz divina do amor, do céu radiante fulgor, que de Belém ao Tabor, aureolava a Jesus.

A voz sublime dos anjos, na alegria dos arcanjos, ao som  das harpas e dos banjos, nas altitudes dos céus, trouxe, à humanidade inteira, a notícia alvissareira e a lição de paz inteira, a adoração verdadeira, dos homens para o seu Deus.

Lá na Judeia famosa, na aldeia mais mimosa, nossa aldeia de Belém, na noite da humanidade,

Jesus, em graça e verdade, no seu berço de humildade se nos deu – o Sumo Bem

(Depois destas apresentações e do hino, apagam-se as luzes; só ficam acesas as do palco e do pinheiro).

(Alguém com voz firme, fará o papel de NARRADOR. Não precisará decorar o papel. Poderá ler. Se não houver lâmpada por perto, coloca-se velas para que ele possa enxergar).

ANUNCIAÇÃO - 4

NARRADOR – Até agora ouvimos o que o natal nos trouxe. Vamos, através dos olhos de nossa fé, transportar-nos para a cidade de Nazaré e ver como ali aconteceu o primeiro Natal. Nazaré era uma cidade pequena da Galileia. Nela morava um carpinteiro chamado José e sua mulher chamada Maria. José era descendente do grande rei Davi. Havia também nessa cidade um rei muito orgulhoso, chamado Herodes. Há muito tempo, porém, este povo esperava o Messias, prometido  pelos profetas nas Escrituras Sagradas. Acreditavam que Ele os livraria do jugo romano. Certo dia, enquanto em um humilde quarto Maria orava, aconteceu o grande milagre.

(Enquanto o Narrador fala apaga-se as luzes principais da igreja, e Maria entra, devagarinho, pela igreja e se ajoelha no centro do palco e ora. –  Pode apagar-se mais luzes na igreja – só ficam acesas as velas do pinheirinho – há um profundo silêncio; - surge, de repente, detrás das cortinas o anjo e fala):

ANJO – Alegra-te muito, Maria! O senhor é contigo.

MARIA – (assustada): Quem é o senhor?

ANJO –   Não temas Maria. Deus me mandou falar contigo. Ele te escolheu para uma missão muito importante. Não vai demorar muito, e tu terás um filho. O seu nome deverá ser Jesus. Quando ele crescer, será Rei para sempre. Ele virá para salvar os homens. Ele será chamado filho do altíssimo Deus, pois Deus mesmo é o seu Pai.

MARIA – (depois de pensar um pouco) Se é assim que Deus quer, assim será. Farei o que tu dizes. O menino se chamará Jesus.

o anjo sai. maria fica pensativa. levanta, devagarinho, põe as mãos em posição de oração e fala, virada para a congregação

MARIA –  A minha alma engrandece ao Senhor e o meu espírito se alegrou em Deus meu salvador, porque Deus se lembrou de sua pobre serva. Deus me fez grandes coisas. Santo é o seu nome. O Senhor teve pena dos fracos e dos pobres. Cumpriu sua promessa de enviar o salvador. Bendito seja o senhor, nosso Deus.

Fecham-se as Cortinas

ALISTAMENTO - 5

ARAUTO – (Na frente das cortinas) Atenção! Atenção todos!!! Por ordem de nosso grande imperador César Augusto, Senhor de todas as terras, O governador de nossa região, Quirino, Convoca toda população de nosso país para o recenseamento geral. Todos os homens deverão partir com suas famílias para a terra onde nasceram, para alistar-se. Quem não fizer isso, será castigado (sai o arauto)!

enquanto o arauto sai, maria  e José estão conversando, sobre o decreto do governador

Abrem-se as Cortinas

JOSÉ -  Ouviste Maria!? Mas que é isto? – logo agora!

MARIA - Meu bom José: O que foi que aconteceu? O que mesmo o arauto falou?

JOSÉ -Logo agora, Maria, que você está esperando o neném, temos que ir a Belém, para nos alistar. Ouviste o Imperador decretou o recenseamento!

MARIA - José, lembras-te do anjo que esteve aqui? – o mensageiro de Deus – o que me disse que o meu filho vai ser filho de Deus? – José, eu acho que não vou poder ir mais até Belém – é tão longe! (Maria olha para José) Achas que temos de ir mesmo?

JOSÉ -  Maria, eu lembro tudo o que o anjo disse... Mas o que vamos fazer, Maria? O arauto disse que quem não for para a sua cidade, será castigado.

MARIA -  Bem José, (Depois de pensar um pouco) Vamos então. Deus nos ajudará. Talvez ele mesmo queira que seu filho nasça em Belém...

JOSÉ -  (contente) Agora me lembro! O profeta Miqueias uma vez falou: “E tu Belém, que és muito pequena entre as cidades de Jerusalém, de ti sairás aquele que será rei de Israel”. Essa é a vontade de Deus. – vamos então Maria.

Fecham-se as Cortinas

Hino:

 

PASTORES NO CAMPO - 6

entram 3 pastores e sentam no chão, na frente das cortinas fechadas

NARRADOR - E, assim, José e Maria foram a Belém e ali cumpriu-se a profecia. Os primeiros a saberem da grande nova foram humildes pastores. Eram muito pobres e mal arrumados; não tinham nem lugar para morar. Viviam no campo, cuidando dos rebanhos. E dormiam lá durante a noite.

1o Pastor – Que noite tão calma, tão diferente das outras...

2o Pastor –  Pois é. Tudo tão calmo, tão bem, que eu acho que até vamos poder dormir. Nenhuma fera virá atacar as nossas ovelhas.

3º Pastor –  Mesmo assim é bom ficar vigiando. Eu tenho a impressão de que alguma coisa vai acontecer esta noite!

4º Pastor –  (Levanta) Que noite calma, que noite santa. Nem um som sequer ao sossego espanta. No céu (aponta) se vê brilharem estrelas, Com um brilho que poucas vezes vemos nelas. É tarde já  e ainda estou acordado, embora do trabalho esteja cansado. – Será que algo a noite nos traz? (Juntas as mãos e se ajoelha) Ó Deus, dá-nos a tua paz!

anjo aparece e começa a cantar baixinho: “eu venho desde os altos céus”.  só a melodia.

1º Pastor –  Que lindos sons dos céus ecoam! Parecem anjos que um hino entoam.

2º Pastor –  Parece-me, ao te ouvir falar assim, que deveria aparecer um anjo para anunciar a vinda à terra do Salvador!

entra o anjo. pastores se assustam.

Anjo –  Não temais! Eis aqui vos trago novas de grande alegria que será para todo o povo. É que hoje vos nasceu, na cidade de Davi, o Salvador, que é Cristo o Senhor. E isto vos será por sinal: Encontrareis uma criança envolta em faixas e deitado numa manjedoura.

3º Pastor –  (Ergue, lentamente, a cabeça) Ó anjo maravilhoso e sem par: Quem te mandou nô-lo anunciar?

Anjo –  (canta) Eu venho desde os altos céus excelsa nova proclamar. Mensagem linda de meu Deus irei a todos anunciar. Jesus menino vos nasceu de humilde virgem de Belém; é Unigênito de Deus. Eis vosso gozo e Sumo Bem. Tomai, pois, isto por sinal: Em vil presépio de Belém vereis, em mísero panal, a quem a terra e o céu sustém.

pastores levantam, devagarinho, enquanto o anjo canta

4º Pastor –  Da boca de anjos nos soa Nova tão venturosa e boa: O Salvador ao mundo desceu.

1º Pastor –  Uma virgem foi quem a luz deu?

Anjo – Deus sabe que ansiais, hoje vos dá porque clamais (volta-se e faz de conta que há outros anjinhos atrás dele) Por isso, louvai e daí graças a Deus, Ó coros, e entoai hinos dos céus!

Anjo – (fala bem forte): “Glória a Deus nas maiores alturas E paz na terra entre os homens a quem ele quer bem.”

Anjo – (fala, depois de olhar a congregação e faz de conta que viu anjos): Vejam anjos proclamando paz na terra e a Deus louvor. São seus hinos ecoando nas montanhas em redor. Vão alegres, ó pastores, ver o Infante celestial. E acrescentem seus louvores ao louvor angelical. Berço rude lhe foi dado, mas do céu Lhe vem louvor. Ele é o Salvador amado, bem merece o nosso amor. Povos, tribos, celebrai-O. Glória a Deus também dizei. Bem humildes adorai-O, Ele é Cristo, o grande Rei. É Jesus Cristo, é nosso Senhor, no qual o Pai revelou seu amor. Oh! Vede em Belém Jesus, vosso Bem, e a sua bondade vossa alma entregai.

Anjo – (canta): Jesus, o Cristo, Deus, Senhor, de todo o mal vos livrará. Quer ser o vosso Salvador, e vosso crime expiará. (Sai o anjo pela igreja cantando. Se tiver mais anjos, também sair.)

1º Pastor –  O anjo falou “na cidade de Davi”. Isto é Belém.

2º Pastor –  E é perto aqui!

3º Pastor –  É verdade, o coro dos anjos cantou assim!... Foi tão lindo, gostaria de os ouvir sem fim!

4º Pastor –  Mas, se lá formos, não sei o que  levar?! A criança dorme sobre feno e palha. Hei de levar o que a agasalha. (Mostra o cobertor que vai levar.)

1º Pastor –  E eu este pão lhe vou ofertar. E que nunca fome precise passar.

2º Pastor –  Eu lhe vou levar um cordeirinho que guardei para a festa, é bem novinho.

3º Pastor –  Vamos, então, logo para lá!...

4º Pastor –  Sim, vamos! Vamos logo!

PRESÉPIO – 7

Abrem-se as Cortinas

(presépio montado)

Maria –  José, meu bom José: Por que estás tão triste? Vejo-o nos teus olhos.

José –  Lá fora o vento é tão frio, tenho pena da pobre criança  que é tão pequena. Tanto em Belém como aqui tenho procurado o melhor albergue que tivesse achado.

Maria –  E a quantos o pediste, disseram não! Apenas encontramos estrebaria com palha no chão. Dei graças, pois quando minha hora chegou, que tivemos aquele teto que nos abrigou.

José –  A estrebaria, com jumento e boi, o nosso único refúgio. Oh! se um berço tivesse pelo menos ( vê ali tem uma manjedoura. Coloca-a no centro, na frente do palco).

Maria –  Mas aqui, a criança na manjedoura botemos. Vês os olhinhos já está abrindo, e logo começa a sorrir. De verdade, nunca vi olhinhos tais. José, não é uma criança como as demais!...

José – (sorrindo): Não há mãe que não pensa assim, por mais pobre que nasça a sua criança.

Maria –  José, meu bem, acredita no que te digo. Entre muitas fui escolhida. Uma criança santa dei a vida. Milagres se farão para veres. Vê (mostrando para a criança), está as mãozinhas a juntar, como se amém quisesse dizer.

José –  Em nome de Deus, nada precisas temer.

Maria –  Graças dou! Que felicidade a nossa! Então me ajuda a criança ninar, para que novamente no sono vá pegar. José, também estou cansada, gostaria de dormir um pouco.

maria encosta-se em José e adormece. enquanto isso, entram os pastores. o anjo rodeia o presépio e canta bem baixinho

Maria –  (acorda): José, sonhei que muitos anjos vi.

José –  Então não vês que um ainda está aqui?

Maria –  José, meu querido José: com esta criança, o que é?!

1º Pastor – (adianta-se e chama os outros): Vinde, irmãos, e não demoreis! Grandes e pequenos, vinde entrai. Podeis confiar, pois aqui olhai! (Mostra para Jesus.)

2º Pastor –  Aqui o doce menino está deitado, assim como o anjo nos tem anunciado.

3º Pastor –  Embora nascido em estrebaria, a criança causa tamanha alegria.

4º Pastor –  Sorri tão suave e bondoso, ó Menino, tão amoroso (mostra para Jesus) Ajoelhai-vos todos diante dos três, daí graças pelo que Deus nos fez.

Todos os pastores ajoelham. Maria está sentada e José fica de pé

Hino:

 

Sentam-se os 4 pastores no chão, ao lado esquerdo do presépio.

Narrador –   Existirá uma maneira diferente de se dizer “FELIZ NATAL?” Durante os ensaios e hoje me fiz esta observação. E, em cada vez, concluí, reverentemente,  que não. “Graças a Deus, não há”. O espírito da festa do Natal permanece tão simples e puro quanto o coração de uma criança. Não  necessita de artifícios, Nem qualquer esforço para que o compreendamos. Nenhum agente  de propaganda poderá dar fascinação nova à sua antiga magia. É simples como o sol, o vento, a chuva; como as estrelas que brilham na Galileia, numa noite sagrada, e que agora, num mundo mais velho,- e talvez mais sábio!- brilham com a mesma intensidade. Não, não há nenhum novo modo de se dizer “FELIZ NATAL’. Nem nós desejaríamos  que houvesse. A árvore que você  enfeita hoje é igual às da sua espécie, que tem vivido nos montes desde que o mundo era jovem... O olhar radiante de nossas crianças no natal `e o mesmo que esteve nos olhos de todas as criancinhas,  desde que se instituiu essa festa da cristandade. Atrás de sua  alegria e de seus presentes, esconde-se um espírito imemorial de “boa vontade entre os homens”. O natal será sempre natal! Neste mundo tumultuado e cheio de transformações , rendamos graças a Deus pela sua preciosa permanência entre nós: FELIZ NATAL.

Hino:

 

REIS MAGOS – 8

Versos de crianças

cortinas permanecem abertas

Narrador(a):

Deus, conduziu muito bem a história do nascimento de seu filho, pois Ele deu aos reis magos sabedoria para conhecerem a estrela que apareceria para anunciar que Deus se tornara homem. Os reis magos eram corajosos e percorreram um longo caminho, guiados pela estrela até o menino Rei.

os reis magos chegam ao presépio, junto de José e maria

REI MAGO 1:

Olá! Permitam que nos apresentemos. Nós somos reis! E olha, andamos muito, viemos de muito longe para conhecer o menino, o Filho de Deus e também queremos adorá-lo.

JOSÉ:

Por favor, meus amigos, Entrem! Vocês querem conhecer o menino? Por favor, podem olhá-lo.

MARIA:

(Pegando o bebê no colo) Olhem para Ele. Não é lindo o Filho de Deus? Ele é o nosso Salvador. Vocês querem adorar a Ele? Pois então podem chegar perto para adorá-lo.

(Os magos ajoelham-se).

REI MAGO 1:

Querido Salvador e verdadeiro Rei. Por favor, aceita este humilde presente que trago a ti. Por que tu és de fato o verdadeiro Rei. (se abaixa, em forma de ajoelhar-se e coloca o presente aos pés de Maria)

REI MAGO 2:

Tu és tão pequenino nesta manjedoura, mas ao mesmo tempo Tu és o Deus Forte, o Deus Poderoso! É o verdadeiro Senhor Jesus. És o Conselheiro de todos os homens, E de hoje em diante, eu quero servir somente a ti e somente a ti adorar. (se abaixa, em forma de ajoelhar-se e coloca o presente aos pés de Maria)

REI MAGO 3:

Ó Senhor. Tu és o Pai da Eternidade, por que não tiveste começo e não terás fim. Tu és Eterno. Tu és o Príncipe da Paz, descendente do rei Davi, governante justo e amoroso. Eu quero que de hoje em diante, tu sejas meu Rei e Senhor! Por isso eu te louvo para sempre. (se abaixa, em forma de ajoelhar-se e coloca o presente aos pés de Maria)

Maria coloca o menino no coxo e senta-se ao lado de José, que permanece em pé. Os reis sentam-se ao lado esquerdo da manjedoura.

sentam-se os 3 Reis Magos no chão, ao lado direito do presépio

NARRADOR: o Natal é diferente do primeiro Natal, pois não temos o menino Jesus visível  em nosso meio, em nossa manjedoura; nem aquela estrela especial, colocada por Deus no céu, para guiar os pastores e magos ao pequeno grande Rei. A humanidade hoje, porem encontra seu Natal, o verdadeiro Natal, na obra mais completa deixada por Deus, é fruto do seu inesgotável AMOR.

A BÍBLIA E A CRUZ – 9

A 1ª criança traz na mão uma bíblia

Natal! Natal de hoje, Natal tão diferente do primeiro Natal!  Natal sem Cristo e sem a estrela que brilhou, excelsa no oriente na noite sem igual....Aquele astro na Bíblia, ainda hoje brilha aos homens, ternamente, a indicar o Cristo de Belém, ditosa trilha. A Bíblia- berço onde Jesus está – é luz do céu, e testemunho da que Deus, o Pai, o mundo quer salvar.

A 2a  criança traz uma cruz

É Natal! Natal bem diferente Quando, no  coração do crente Poder nascer Jesus. Nascer para dar vida  A alma então remida  Pelo sangue redentor da cruz. Cruz de Cristo, que eu bendigo tanto Cruz que é a sinfonia e o me meu canto Cruz sublime da expiação.

As duas crianças juntas

Natal! Natal! Melodia nos céu, A festa aqui na terra Mensagens do amor  Que minha Bíblia encerra  De vida em Deus, sem fim .... Pois quantos desejam paz e vida O Cristo inefável ,  hoje convida.. Ó vinde todos, sim, vinde a mim!

NARRADOR –  O Natal, para nós, é, permanece e será sempre o Natal. O verdadeiro Natal. O natal da fé, da esperança e do amor. Vamos sempre esperá-lo e recebe-lo com a maior oferta do amor de Deus. E, agora, rendamos gracas a Deus pela sua preciosa permanência: FELIZ NATAL!

Hino: NOITE FELIZ (Congregação)

1. Noite feliz! Noite feliz! O Senhor, Deus de amor,  pobrezinho nasceu em Belém.

Eis na lapa Jesus, nosso Bem! Dorme em paz, ó Jesus! Dorme em paz, ó Jesus!

2. Noite feliz!  Noite feliz! Eis que no ar vêm cantar  aos pastores os anjos dos céus.

Anunciando a chegada de Deus, de Jesus Salvador! De Jesus Salvador!

3. Noite feliz!  Noite feliz! Oh! Jesus, Deus da luz, quão afável é teu coração.

Que quiseste nascer nosso irmão para a todos salvar! Para a todos salvar!

POESIA 1

1. Deus no amou e nos mandou Cristo, seu Filho querido, Deus nos amou, vede o menino nascido

2. Deus nos amou, digam-no todos os povos! Gozam de salvação todos os que nele creem.

3. Reino bendito – reino do amor divino, eis que as nações resgate por Cristo tem.

POESIA 2– SAUDAÇÃO DOS PASTORES

1. No campo o rebanho guardado, deitado todos no chão mal se vê pela luz das estrelas, que à volta as ovelhas estão. Quando a luz aparece, eis, nos altos céus: Cantado o amor de Deus! O primeiro natal, eis que o anjo este eterno cântico traz! Glória a Deus nas alturas, Na terra acordo e paz!

2. A vós da cidade tão perto: Hoje um salvador nasceu. Também apareceu no céu. Oh! Nunca mensagem tão doce Na alma do homem vibrou... E os próprios céus nunca ouviram Coro que mais alegre cantou. Bendito este canto ao mundo, Que ainda em pecado jaz Glória a Deus nas alturas, Na terra acordo e paz!

3. Dirijam-se, então, pastores à cidade, para verem Jesus. E na manjedoura contemplem E vão juntar-se ao coro Das estrelas que brilham nos céus. A vós da cidade tão perto,  Hoje o Salvador nasceu. Cantem, sim, e entendo Que nunca ouvirei outro canto assaz: Glória a Deus nas alturas, na terra acordo e paz!

pequena vila de belém

1. Pequena vila de Belém Repousa em teu dormir, Enquanto os astros lá no céu Estão a refulgir. Porém nas tuas trevas

Resplende eterna luz, Incomparável, divinal. Nasceu o bom Jesus.

2. Da virgem- mãe nasceu Jesus. Vós anjos daí a Deus Louvor, e aos homens proclamai. As novas lá dos céus. Estrelas matutinas, Em hinos de louvor, Ao anjos e homens proclamai  De Deus eterno amor!

3. Ó Santo Infante de Belém, em nossos corações habita, faze-os entrever celestiais visões. Nos céus proclama anjos De Deus o amor fiel: Oh! Vem, Senhor, em nós morar,  Eterno Emanuel!

POESIA 3

1. De Belém, formosa estrelas, Rutilante em teu fulgor, Anunciava a todo o mundo. Ter nascido o Salvador.

2. Este dia tão faltoso, Celebrado entre as nações, Nos demonstra que Jesus Cristo Vem reinar nos corações.

3 .Surge, em fim,  uma alvorada Que dá gozo ao coração. Pois nos diz que Jesus Cristo Traz ao mundo a Salvação.

uma história

1. Dizem que é muita antiga A história que foi contada. Mas, para mim é tão bela! Não importa a idade dela é a história do Natal!

2. Sabem, minhas amiguinhas, O que Natal quer dizer? Brinquedos? Presentes? festas? Nada disso! Pois ora esta! Natal quer dizer “Nascer!”

3. No meu Natal eu nasci; E, no seu, você nasceu. Mas, o natal de que falo _Oh! Que grande regalo!- É o natal vindo do céu.

4. Nasceu Cristo, o Redentor, Na mais completa humildade. E assim também viveu, Foi desprezado e sofreu, Para Salvar a humanidade.

5. Amou muito as criancinhas, Os grandes, todos em fim.  Para nos Salvar, sofreu; Foi condenado e morreu. Mas ressuscitou, por fim.

6. Por isso nós, os seus filhos,  Com ele iremos um dia Gozar no céu as delícias! Esta história é uma carícia. É muito linda- eu não dizia?!

 

Autor desconhecido

Um comentário:

Elisiane disse...

SÓ LI E JÁ ACHEI UMA MARAVILHA Q DEUS SEMPRE ILUMINE VC E NUNCA DEIXE DE REALIZAR ESTE TRABALHO. BJS.